O governador Pezão anunciou há poucos dias uma série de Projetos de Lei e Decretos para tentar aliviar a péssima situação financeira do estado, fruto de anos de má gestão do próprio Pezão e seus padrinhos políticos.

Agora, temos pouquíssimo tempo para evitar que as medidas que penalizam desproporcionalmente as pessoas mais vulneráveis do nosso estado sejam aprovadas pelos deputados estaduais. É o caso do corte de programas relativamente baratos que apoiam milhares de famílias desabrigadas e em situação de extrema pobreza, da taxação de 30% sobre vencimentos de aposentados que ganham menos de 5 mil reais por mês, e das limitações para uso do Bilhete Único Interestadual.

Não faz nenhum sentido propor um pacote com medidas tão devastadoras e nenhuma proposta de aumento da transparência da gestão ou combate à corrupção.

Precisamos lotar a caixa de emails dos deputados nos próximos dias para dizer que a população mais pobre do estado não pode pagar essa conta. 

Preencha o formulário para mandar seu email agora!



Pressione agora!

Quem você vai pressionar (69 alvos)
    Como funciona?
    1. Estamos ligando para o seu alvo
    2. Assim que alguém atender do lado de lá, vamos te ligar
    3. Quando você atender, conectamos as ligações
    4. Agora é com você!

    0
    emails enviados



    O Projeto de Lei  2241/2016 pretende começar a taxar em 30% aposentados e pensionistas que ganham menos de  R$5.189,82 mensais pelos próximos 16 meses. Hoje, esse grupo é isento de contribuição previdenciária.

    P.S: esse projeto foi devolvido ao governo pelos deputados.Vamos continuar de olho caso ele seja reapresentado ;)


    O Projeto de Lei 2246/2016 pretende acabar com os programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem, que hoje atendem 154 mil famílias que vivem em pobreza extrema. O Decreto 45.806/2016 pretende acabar com o Aluguel Social a partir de junho do ano que vem. Hoje ele é pago a 9.640 famílias desabrigadas. 






    O Projeto de Lei  2248/2016
    estipula como gasto máximo dos usuários do Bilhete Único o valor de R$150,00 por mês.
    Isso significa que os próprios usuários ou seus empregadores terão de arcar com a diferença caso o gasto mensal seja superior a esse valor.


      
    • Aumentar tarifa do Bilhete Único para R$ 7,50
    • Suspender reajustes para servidores da área de segurança, bombeiros e auditores até 2020.
    • Fim do adicional por tempo de serviço (triênios)
    • Limitar a concessão de reajustes ao patamar de 70% do crescimento da receita corrente líquida.
    • Redução de 30% no valor das gratificações de cargos comissionados
    • Redução de 30% no valor da remuneração de alguns cargos do poder executivo

         
    • Desconto de 30% em aposentados e pensionistas que ganham menos de R$ 5189,82 - PL 2241/16 
    • Teto de R$ 150 para subsídio do Bilhete Único - PL 2248/16
    • Fim do Programa Renda Melhor - PL 2246/16
    • Alíquota extraordinária de 16% para quem ganham mais desse valor durante 16 meses - PL 2241/16
    • Aumento do desconto de 11% para 14% para servidores ativos e inativos que ganhem mais de R$ 5.189,82 - PL 2240/16
    • Alerj, TJ, TCE, Defensoria e MPE responsáveis pelas contribuições dos seus servidores - PL 2240/16 
    • Aumento da arrecadação de ICMS em alguns setores, como energia elétrica, telefonia, gasolina, cerveja e refrigerante - PL 2242/16
    • Alteração da forma repasses de duodécimos para Alerj, TJ, TCE, MP e Defensoria - PL 2234/16
    • Extinção de diversas autarquias - PL 2233/16 a PL 2239/16
    • Autorização da cobrança de tarifa nas barcas para moradores de Paquetá e Ilha Grande - PL 2247/16





    Não restam dúvidas de que a democracia representativa está vivendo sua maior crise desde a redemocratização do país. Assim como foi na eleição para governador em 2014, este ano mais de 40% dos cidadãos resolveram não votar ou não escolher nenhum dos candidatos para ocupar o cargo mais alto do executivo municipal. Isso é grave. Mas acreditamos que a eleição é apenas uma etapa; enquanto a política se faz todo dia, nas trocas, nas redes e nas ruas.

    O mais importante agora é a participação direta dos cariocas nos rumos da cidade. O Rio não é de um ou outro candidato, a cidade pertence a todos que amam e querem fazer daqui um lugar mais justo, participativo e inclusivo. Precisamos nos mobilizar para construirmos a cidade que queremos.


    Boralá, todos juntos pelo Rio!


          

    contato@meurio.org.br
    (21) 3079-1333